Epílogo

Manuel Alegre

 

Durante toda a campanha o nosso candidato disse:

 

"Não se trata de eleger o Manuel Alegre.

 

Todos vós sois candidatos,

todos somos candidatos,

todos os que se reclamam dos valores do 25 de Abril,

todos os que querem a democracia com Estado Social".

 

 

E assim o entenderam a Ana Paula Fitas, o André Freire, o André Moz Caldas, o António Avelãs, o António MS Rodrigues, o Aurélio Pinto, o Carlos Manuel Castro, o Cipriano Justo, o Cláudio Carvalho, o Daniel Martins, o Elísio Estanque, o Fernando Gomes, a Helena Araújo, o Henrique Sousa, o Jacinto Lucas Pires, a Joana Lopes, o João Grazina, o João Miguel Almeida, o João Ricardo Vasconcelos, o Joaquim Paulo Nogueira, o Jorge Nascimento Fernandes, o José Castro Caldas, o José Leitão, o Luís Novaes Tito, o Miguel Cardina, a Nathalie Oliveira, o Nuno David, o Nuno Félix, o Nuno Serra, a Paula Cabeçadas, o Paulo Ferreira, o Paulo Peixoto, o Paulo Querido, o Pedro Cegonho, o Ricardo Alves, o Ricardo Siqueiros Coelho, o Rui Namorado, o Tiago Barbosa Ribeiro, o Ulisses Garrido, a Vera Santana e o Vítor de Sousa, que assumiram esta candidatura como sua e vieram à liça dando forma a uma outra máxima de Manuel Alegre:

 

"A História somos nós que a realizamos"

 

Nesta plataforma de onde saíram escritos feitos do Norte a Sul de Portugal, das Regiões Autónomas, de França e da Alemanha pouco interessou o que nos diferenciava, nada se valorizou o que nos afastava e tudo se concentrou na nossa candidatura em defesa dos valores acima mencionados.

 

 

Manuel Alegre em Belém teria sido a garantia da manutenção desses valores. Com ele dividimos a quota-parte de derrota por não termos atingido o objectivo da candidatura. Com ele dividimos a quota-parte de vitória por uma vez mais termos ido à luta em defesa daquilo que entendemos ser o melhor para Portugal. Agimos independentemente da sede de campanha, recusámos o Eles para sermos o Nós.

 

Esta plataforma, composta pelo Blog e por um Grupo de Discussão dos autores, foi administrada por Joana Lopes, Paulo Ferreira e por mim próprio, Luís Novaes Tito (owner). Teve ainda a colaboração externa de Pedro Pereira e André Coroado que, não tendo sido autores, nunca deixaram de nos apoiar nas redes sociais. Teve a colaboração de Rui Perdigão que criou e nos cedeu gratuitamente a imagem do Alegro e de António Sérgio Pessoa que desenhou e nos cedeu os Morfeu.

 

Teve a ajuda na sua divulgação, para além de muitos outros, do Pedro Correia no Delito de Opinião, do Miguel Abrantes no Câmara Corporativa, da Ariel no Cirandando, da MdSol no Branco no Branco, do Miguel Gomes Coelho no Vermelho Cor de Alface, do Elisário Figueiredo no Tonibler, do Porfírio Silva no Machina Speculatrix, do Tiago Tibúrcio no a Forma Justa, do Paulo Pedroso no Banco Corrido, do Rui Bebiano no a Terceira Noite, da Isabel no das Pequenas Coisas, do André Azevedo Alves no o Insurgente, do Francisco Clamote no Terra dos Espantos, da Isabel Prata no a Aba de Heisenberg, dos Osvaldo e Tiago Sarmento e Castro no a Carta a Garcia, do JL no Luminária e da IO no Amor e Outros Desastres, e de todos os blogs onde escrevem os autores, conforme se pode ver na coluna da direita.

 

Agradecimentos também aos 15.000 visitantes que nos acompanharam e à equipa técnica do SAPO que se manteve atenta (Maria João Nogueira e Pedro Neves).

 

Foi uma acção cívica empolgante. Foi uma honra e um prazer ter estado neste combate ao lado do nosso Manuel Alegre.

Luis Novaes Tito às 18:36 | link do post | comentar