A Esquerda e a pobreza

O problema da pobreza não se resolve com a tradicional caridadezinha que a Direita apregoa e tem sido o mote da pré-campanha de Cavaco agora transformado em urgência. O que é urgente são as razões que arrastam tantos para esses limiares, enquanto uma outra sociedade se afasta a uma taxa de expansão incomportável. Estamos a criar ghettos que explodirão de alguma forma a seu tempo, se não soubermos encontrar caminhos. O que Alegre e quem está com ele quer dizer, é que esta disparidade não faz sentido, e que a resposta da Direita não tem que ser a da fatalidade, sempre que fala do insucesso dos pobres. Hoje o fosso alarga-se não só porque os mais incapazes são os mais vulneráveis pela ausência de verdadeiros planos de erradicação da pobreza, mas porque todos conhecemos a força com que o poder económico impõe a receita neo-liberal e a dependência que a necessidade de garantir um posto de trabalho cria desse modelo perverso que tolhe o protesto às injustiças.

João Grazina às 10:34 | link do post | comentar