Uma festa bonita.

A pluralidade da Esquerda e a viabilidade de podermos obter através dela um veículo de entendimento mais vasto, como este em que acordámos, pode não passar neste momento do simples blogue de apoio a uma candidatura, mas é possível acreditar que o que representa pode ser amanhã uma outra coisa mais bonita que vos confesso, faz parte dos futuros que gostaria de ver concretizados. Não lhe chamei propositadamente utopias por sentir que não é assim de uma tão grande elevação de propósitos que mereça o estatuto das quimeras.

 

Julgo que todos sentem que não é preciso abdicar de nada em que acreditam para aqui estar a escrever denodadamente neste ambiente virtual fantástico - do qual os leitores não se apercebem por não terem acesso á plataforma que suporta o grupo - e a emitir opinião com os mesmos propósitos. Se estamos todos de acordo quando Alçada dizia: “Que aquele mundo que derrubámos não servia, mas este que estava a triunfar também não era justo e não era a solução”, então, teremos mais meio caminho realizado e no final, sejam quais forem os resultados, vai ser uma certeza que todos dirão: Foi bonita a festa, pá!

João Grazina às 20:40 | link do post | comentar