Os amigos políticos de Cavaco Silva

Angela Merkel e Nicolas Sarkozy são os amigos políticos de Cavaco Silva - os três são do Partido Popular Europeu -, que o candidato disse há dias, num debate, não querer contactar, na qualidade de Presidente da República, pois poderia parecer que estava a pedir.

 

Os Governos destes senhores, refere a credível revista alemã Der Spiegel, pretendem que o FMI entre em Portugal.

 

Infelizmente, Cavaco Silva não percebe que um Chefe de Estado, qualquer que seja o Estado europeu, não pede, actua no sentido de salvaguardar o interesse do seu País no quadro geral do bem comum europeu.

 

Infelizmente, Cavaco Silva, que é um dos políticos no activo nos 27 países da UE com mais experiência europeia (na actualidade talvez só Juncker, do Luxemburgo, tenha mais anos do que Cavaco), não faz uso nem coloca ao serviço do País o capital acumulado para ajudar Portugal e a UE a sair do actual momento.

 

Infelizmente, Cavaco Silva continua a ter uma lógica de "bom aluno", quando a UE precisa de União, de todos, não de uns armarem-se em docentes e outros fazerem de alunos. Até porque quem tem a mania de dar aulas (Merkel e Sarkozy) na Europa já deu provas de nem ter terminado a formação. 

 

Assim, e por demérito do nosso actual Presidente da República, os companheiro de partido europeu (PPE), e dos seus dois partidos de apoio (PSD e CDS), continuam a trabalhar para a instabilidade europeia. Começou na Grécia, passou pela Irlanda, e parece quem há quem queira que passe por Portugal.

 

Se Cavaco Silva fosse tão bom Presidente, como quer agora fazer entender que é, não estaríamos como estamos.  

tags:
Carlos Manuel Castro às 20:21 | link do post | comentar