Pela calada da noite

 

Disse Alegre, e disse muito bem, que o entusiasmo da direita com a vinda do FMI resulta “do facto de saberem que se o FMI entrar em Portugal vai aplicar o programa radical que eles não têm coragem de apresentar aos portugueses”.

 

Pois é. A esquerda pode querer para o país coisas que são difíceis de conseguir. Mas a direita está pior: não pode sequer confessar aquilo que realmente quer. Venham então outros de fora impor o despedimento individual sem necessidade de justa causa, o corte nos salários a todos os funcionários públicos e pensionistas, a redução ainda maior do subsídio de desemprego, a saúde e o ensino a duas velocidades – uma para quem pode pagar, outra para quem não pode - …

José Castro Caldas às 18:11 | link do post | comentar