Rei Mijas

Colete de forças(...) Adivinho, assim, que fosse dever de cada português, sobretudo a partir de 1961, nada fazer que pudesse ser tomado (no entendimento de Sua Alteza) como traição ao seu país, ou seja, devia obedecer e manter-se quietinho e calado, pois então.

 

Concluo que os militares que saíram de Santarém na madrugada de 24 de Abril foram, consequentemente, os maiores traidores que imaginar se possa, porque não se limitaram a prejudicar a guerra, acabaram de vez com ela. (...)

 

Para ler na íntegra este texto de Paulo Pinto vá até ao Jugular (basta clicar nesta frase).

Há coisas que são tão bem ditas que acrescentar mais pode estragá-las.

Luis Novaes Tito às 12:13 | link do post | comentar