Palavra de Mandatário

Em 2006, sem estar investido de nenhuma missão oficial, trabalhei com muitos camaradas e amigos, para que já nessa altura a candidatura de Manuel Alegre marcasse uma presença inolvidável no panorama eleitoral. Os resultados foram bastante positivos. Ficámos pois, satisfeitos por ter ajudado. Desta vez Manuel Alegre em pessoa, convidou-me para ser Mandatário em França. Devo dizer que aceitei com todo o prazer porque continuo a acreditar em Manuel Alegre por reconhecer nele o valor do homem de Esquerda, honesto, frontal, culto, com envergadura de Chefe de Estado.

Prazer que foi reforçado porque isso me leva a trabalhar com outros homens e mulheres de Esquerda, que não militando normalmente a meu lado, defendem no essencial, os mesmo valores que eu. É bom estarmos juntos quando se trata do destino de Portugal. É claro que me agradou muito o discurso feito pelo Secretário Geral do Partido Socialista, pondo em evidência as qualidades do candidato e incentivando cada um, do simples militante às Federações Socialistas de todo o País, a fazerem tudo para que Manuel Alegre ganhe esta eleição. De igual modo e pelas mesmas razões, me agradou a adesão frontal do Bloco de Esquerda e a daqueles que, de outros partidos ou independentes, comungam na ideia que a democracia funciona assim e que, desde sempre, Manuel Alegre esteve na frente da luta pela liberdade.

Manuel Alegre tem uma leitura clarividente da situação que o Mundo, a Europa e Portugal atravessam.

Por ter vivido como nós, muitos anos fora do país, também este candidato a Presidente da República compreende e considera as Comunidades Portuguesas espalhadas pelo Globo.

Para levar a cabo a missão que me foi confiada, que, relembro, é supra partidária, convidei em França aquelas e aqueles que partilham as mesmas convicções;  são até hoje: Fernando Silva, Cristina Semblano, Álvaro Pimenta, José Vieira, Nathalie de Oliveira, Lamartine Pinto Sá, Alexandre Gomes, Lurdes R. Galvão, António Topa, Hermano Sanches Ruivo, Maria Fernanda Pinto, Manuel Tomé, Mário Castilho, Parcídio Peixoto, Teresa Rebelo, Jorge Teles, José Rocha, João Santos Silva, Fernando Riesenberger, Manuel Ferreira e Maria Augusta Pereira.

Todos juntos vamos trabalhar para atingir o objectivo único:

Manuel Alegre Presidente 2011.

In Lusojornal, (Paris),16/09/2010

 

Aurelio Pinto às 22:02 | link do post | comentar