A luta milenar e a luta contra a abstenção de cidadania

"É possível andar sem olhar para o chão"

Manuel Alegre

 

 

Começamos a lutar pela Lusitânia contra os Romanos, depois contra Muçulmanos e Espanhóis, contra Napoleão e contra o Absolutismo, há cem anos, pela República insurgirmo-nos contra a Monarquia e em 1974 derrubamos a República pidesca, anti-democrática, corporativa e fascista. A história de Portugal não tem apenas 867 anos. Antes de existir Portugal, já existia o espírito de luta pela liberdade e pela cultura. A luta de amanhã passa pela a afirmação e reforço dos valores republicanos, pela democracia, pelo Estado socialmente presente e pela igualdade em liberdade; já quanto à luta central de hoje passa por combater a abstenção. Combater, não a direita, não o conservadorismo, não o PSD nem o CDS-PP, nem sequer Cavaco Silva, mas a abstenção... não somente a eleitoral, mas sobretudo a abstenção de cidadania.

 

Quando um jovem sai do seu país para não mais voltar, por motivos económicos ou financeiros, estamos a ser derrotados...

Quando um jovem não se debruça sobre a actualidade política, estamos a ser derrotados...

Quando um jovem não tem qualquer participação num agregado cívico, político-partidário ou não, estamos ser derrotados...

Quando um jovem não acredita no seu próprio potencial de promover a mudança do paradigma sócio-económico, estamos a ser derrotados...

Quando um jovem diz que não vai votar nas próximas eleições de dia 23, estamos a ser derrotados...

 

O espírito nacional não pode ser derrotado; é historicamente valioso demais para tal. Vamos à luta e vencer!


 

(Foto: Alberto Mesquita)

Cláudio Carvalho às 00:34 | link do post | comentar