Uma aspirina para a memória

Não pagamos O candidato Cavaco, arauto da estabilidade, incita à rebelião em plena campanha eleitoral.

 

O Presidente Aníbal Cavaco Silva deveria saber que esta prática é lastimável em campanha eleitoral. Uso a palavra lastimável porque pretendo manter o meu princípio de evitar insultos a um Presidente da República de Portugal.

 

O candidato Cavaco deveria lembrar-se do que andou a fazer quando foi Primeiro-Ministro. Como acredito que a sua memória já não é o que era deixo-lhe este link como se fosse uma aspirina revigorante para o cansaço causado por trepar aos tejadilhos dos automóveis.

 

(...) "Atitudes que só deram mais força aos protestos dos alunos. Em 24 de Novembro de 1993, ficou marcado como o dia mais violento nesta contestação: o Corpo de Intervenção carregou sobre os estudantes que faziam uma manifestação contra as propinas frente ao Parlamento. Os alunos responderam com pedras e a polícia ripostou com nova carga, mais forte.

 

Registaram-se diversos feridos e detenções, mas os estudantes mostraram-se mais unidos do que nunca. As críticas vieram de todos os quadrantes, até da JSD, liderada por Passos Coelho, que mostrou o “cartão vermelho “ a Couto dos Santos e exigiu o apuramento de responsabilidades."

Luis Novaes Tito às 12:23 | link do post | comentar