Da racionalidade política à esquerda

Racionalidade política, precisa-se, à esquerda, como bússola de navegação por entre a espuma dos dias, as ideias feitas e as correntes de opinião formatadas. Agora, para não desistir de votar. Depois, para olhar o futuro.

 

O excelente artigo de Daniel Oliveira no Expresso de hoje - "O Que Nos Espera" - é um lúcido exercício dessa racionalidade política à esquerda, tão necessária agora como depois das presidenciais. Citamos dois extractos:

 

"Ainda Manuel Alegre não tinha apresentado a sua candidatura e já o spin para consumo mediático estava feito: o seu problema é ser apoiado pelo PS e pelo BE. Um pormenor sobre as primeiras voltas das presidenciais; Eanes foi apoiado por PS, PPPD e CDS na primeira candidatura e por PS e PCP na segunda; Zenha por PRD e PCP; Soares por PS e PSD na recandidatura; Sampaio por PS, PCP (em todos os casos sempre com desistência do candidato comunista) e partidos que hoje estão no Bloco quando concorreu contra Cavaco. Os candidatos de direita foram quase sempre apoiados por PSD e CDS. O problema de Alegre só é problema porque alguém decidiu que o que quase sempre aconteceu agora é estranho. Mais: há cinco anos o escândalo era a esquerda não se entender no apoio a um candidato. Agora, curiosamente, é o oposto.

 

..................................................................

 

As críticas que fez ao Governo são outro argumento usado contra Alegre. Curiosamente, a sua proximidade ao PS também. Às vezes pelas mesmas pessoas. Mas esta independência de Alegre, que consegue irritar todos os lados, é a melhor garantia que pode dar para o cargo a que se candidata.  Ninguém, no seu perfeito juízo, acredita que Alegre representará um partido em Belém. Mas todos sabem que que representará um olhar sobre o papel do Estado na sociedade. Com o extremismo ideológico e económico que tomou conta da direita portuguesa a caminho do poder, é tudo o que pode restar para moderar o que aí vem. Se os eleitores de esquerda não o perceberem e ficarem em casa terão cinco longos anos para o confirmar." (sublinhado nosso)

Henrique Sousa às 13:00 | link do post | comentar