Quinta-feira, 20.01.11

Em frente e depois, à Esquerda

 

 

Descia-se a Rua Nova da Trindade. Almeida Santos, António Costa, Maria de Belém, Carlos César, na primeira linha, marcavam a presença do Partido Socialista. No cortejo vi Garcia Pereira, vi Arnaldo de Matos (um dos cromos mais carismáticos da caderneta que comecei a fazer aos onze anos na minha Ludoteca de Abril). Vi um homem empunhando uma pequena tabuleta sobre uma esquerda socialista. No cruzamento, na Brasileira, o abraço a Francisco Louçã. O grande desafio da 2ª Volta é mesmo este, a forma natural e quase orgânica com que Manuel Alegre parece conseguir fazer com que a esquerda, sem grandes poblemas digestivos,  se junte numa mesma rua. Como que preparando o grande desafio do seu contrato presidencial, conseguir com que a esquerda se sente a uma mesma mesa e discuta, de A a Z,  o que pretende fazer para continuar a ser, no século XXI, a grande promotora de valores como a paz, a liberdade, a solidariedade e a fraternidade.

Joaquim Paulo Nogueira às 23:32 | link do post | comentar
Terça-feira, 18.01.11

Sim, eu sei...

Assinatura MASim, eu sei que para mim é fácil. Conheço bem Alegre, acompanhei o seu percurso em defesa da liberdade e da democracia, estive ao lado de Manuel Tito de Morais nas muitas vezes que, com Alegre, foi preciso sair à rua e fui camarada de Alegre desde que ele ingressou no Partido Socialista para que, com Mário Soares, Salgado Zenha e muitos outros se contribuisse para que hoje fosse possível estar aqui a escrever e a ler.

 

Por isso para mim, como dizia no início desta curta missiva, votar em Manuel Alegre é tão normal como respirar, mas percebo que para outros não seja tarefa tão fácil.

 

Quando as pessoas estão na política como Manuel Alegre sempre esteve, com frontalidade, com determinação, com coragem e na defesa do interesse comum, criam-se engulhos pessoais difíceis de ultrapassar. Sei-o porque também já estive nessas condições embora, na hora da verdade, nunca tenha hesitado entre o particular e o interesse comum.

 

Sim, eu sei que para mim não se trata de um mal menor, porque considero um bem maior ter Alegre na Presidência de Portugal. Gosto dele, gosto do seu gosto pela liberdade, pela justiça e pela solidariedade. Gosto da sua coragem e da sua valentia. Gosto da sua capacidade de resistência e gosto da sensibilidade e do patriotismo que transpiram dos seus escritos.

 

Mas, se não gostasse de Alegre pelo que gosto, pelo menos gostaria de saber que quem representará este País nos próximos anos é alguém que abrirá as janelas do Palácio de Belém para que se dissipe o bolor. Alguém que não tenha da família a ideia de protectorado e que não considere, em caso algum, a pessoa com que vive sua dependente. Parecendo isto um pormenor não o é porque revela o bafio e projecta-o à Nação, uma vez querendo que os cidadãos sejam seus filhos carentes de caridade, bons alunos, comportados e obedientes, outras, súbditos sem direito à prestação de contas.

 

Mesmo sabendo que o que para mim é fácil possa não ser para outros, proponho a esses outros que olhem para os pratos da balança, escolham e não dêem oportunidade àqueles que sempre a aproveitam para poderem escolher em nome de todos o seu próprio mal menor.

Luis Novaes Tito às 16:50 | link do post | comentar

eMail

pesquisar

 

autores

posts recentes

últ. comentários

  • Genial ... anedota nacional. Fica a ideia da const...
  • Ou seja, Cavaco, nos seus 10 anos, reduziu o défic...
  • Obrigado Rodrigo.Este Blog estará disponível enqua...
  • Caros AmigosO trabalho que fizeram e apesar de os ...
  • Há gente que nunca conseguirá ver mais do que a po...
  • Palavras para quê?"Alegre confrontado com insinuaç...
  • Obrigado JPN.Já está resolvido.
  • Obrigado, AnabelaFoi um prazer acompanhar Manuel A...
  • Tens toda a razão, Paulo.Esta treta de gente do me...
  • Acho que não deve conseguir ler os gráficos muito ...

arquivos

2011

tags

links

subscrever feeds

networkedblogs - facebook

NetworkedBlogs
Google Groups
blogs SAPO

Logo

Alegre - Alegro Pianissimo
Imagem: Rui Perdigão