Segunda-feira, 24.01.11

E depois do fim... ainda o espírito de Abril!

 

 

Pouco vale a pena acrescentar aos comentários públicos que têm sido feitos sobre os resultados da maratona eleitoral das Presidenciais 2011, para além do grande destaque e da grande reflexão que nos merece a inesquecível taxa de abstenção registada, na medida em que ultrapassou metade do eleitorado português... Porém, das causas desta memorável abstenção nunca é demais registar o afastamento dos cidadãos da prática eleitoral, designadamente pelo significado que reflecte sobre a actual forma de se fazer política. Na verdade, entre o que, há dias e a par do receio generalizado, registara (ler Aqui), antecipando o não-dito destes resultados eleitorais e atendendo, por outro lado, à consciência de que o empobrecimento arrastado pela crise económico-financeira dos mercados provoca sério desgaste ao regime político democrático (dada a ausência de uma evidente preocupação com a dimensão social da economia e da política), a abstenção de 53,3% num país que integra, de pleno direito, a União Europeia, denota a urgência de uma profunda reforma político-económica a que é preciso dar resposta... no nosso país e no espaço comunitário europeu! Podem os políticos e as instituições ignorar a realidade ou tratar de a minimizar mas, os factos são, no caso!, incontestáveis e, como tal, resta ao exercício democrático da cidadania exigir a sua consideração até que a agenda política reflicta o problema como prioritário.

... agora, no final deste Alegro Pianissimo, cabe-me ainda partilhar convosco o post que escrevi ontem ao fim da noite e que publiquei no A Nossa Candeia

"O discurso de Manuel Alegre foi um discurso feito de dignidade, coragem e humildade, próprio do melhor que podemos esperar de um autêntico democrata e de um antifascista... mas, Manuel Alegre não tem razão! Os resultados que hoje obteve não são culpa do Homem e do Político que é mas, isso sim, da dinâmica criada pelos partidos que o apoiaram... medo, receio e ressentimento não são os companheiros certos para a Firmeza e a Convicção de um Homem e menos ainda de um visionário e de um Poeta! Obrigado, Manuel Alegre! O espírito de Abril tem ainda em ti o sopro de vida de que o ar da sociedade portuguesa e europeia precisa!"

  

Ana Paula Fitas às 22:11 | link do post | comentar
Sexta-feira, 21.01.11

"É Pior a Emenda que o Soneto" ou "A Vingança Serve-se Fria"?... Olhem que não...

Costuma dizer-se que "as sondagens são o que são"... de qualquer modo, o que me preocupa é a tendência portuguesa para, por um lado, tentar penalizar o que considera causas do seu descontentamento e, por outro lado, a ainda deficitária interiorização da ética republicana que grassa na sociedade portuguesa. O que quero dizer com isto? Simplesmente que os portugueses, numa tentativa de penalização do governo e, consequentemente, do PS, podem projectar na votação no seu principal opositor a manifestação do seu "castigo"... o raciocínio é demasiado simplista e transporta em si próprio alguma perversidade que só os mais ingénuos podem descurar, para gáudio dos que fruirão desta decisão. Porque, na verdade, o exercício desta forma de acção significa que, para efeitos de provocação de um desagrado imediato ao partido do governo, os portugueses preferem não equacionar o futuro, recusando pensar nas consequências dos seus actos! De facto, se houvesse hábitos reflexivos na opinião pública, a hipótese de um cenário em que se altere a conjuntura parlamentar por via de eleições legislativas, seria colocada e a consciência de que as alternativas económicas à actual governação não são, nesse mesmo cenário, do interesse público, os cidadãos iriam perceber que votar Cavaco Silva é contribuir para legitimar um caminho que será muito mais penoso para Portugal do que o que actualmente trilhamos. Por outro lado, por razões que se prendem com a cultura democrática relativamente incipiente nas populações menos alfabetizadas, menos informadas e menos politizadas, a representação social do Presidente da República é ainda o que resta do que, entre nós, legitima o "apadrinhamento social" e a "lógica do favor" em prejuízo da "cultura do mérito" - razão pela qual a mudança presidencial se processa, no nosso país e ainda que num regime democrático, por desistência do cargo, seja por limite de mandatos ou por vontade própria... como se a essa figura coubesse uma "intocabilidade"entendida de forma ainda próxima de concepções religiosas medievais em que o poder se associava ao "sagrado"! Ganha aqui sentido a expressão "nem para si próprios sabem ser" porque esta forma de pensar aproxima a sociedade daquilo que as pessoas mais temem: o empobrecimento e o autoritarismo!... e, como sabemos, apesar de se dizer que "a vingança serve-se fria", a verdade é que a vingança nunca é a melhor forma de resolvermos os problemas! 

Ana Paula Fitas às 20:10 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 20.01.11

Manuel Alegre, Ouvir e Participar para Acreditar!

Hoje, num almoço quente e concorrido na Cervejaria Trindade, Manuel Alegre fez um discurso aberto e claro, veemente e preciso, sobre as prioridades do país. Sem cair na tentação de perder demasiado tempo com os adversários, Manuel Alegre afirmou-se como o garante da Democracia, o defensor do Estado Social, da Educação Pública, da Segurança Social, o promotor dos interesses nacionais contra a desertificação e os interesses especulativos, cegos e anónimos dos mercados, o portador de uma ideologia de liberdade e resistência em nome do interesse colectivo dos portugueses e o companheiro de viagem dos cidadãos na sua luta e no seu empenho por uma sociedade melhor. Afirmando a necessidade de continuar a trabalhar sem cedências num projecto comum para uma Europa Democrática, Social e Plural, Manuel Alegre falou da cultura e da educação como fontes de reconstrução de uma identidade que precisa de consolidar raízes para enfrentar o futuro. Ouvir Manuel Alegre é recuperar a Vontade de Acreditar. Hoje, às 21horas, no Coliseu dos Recreios em Lisboa, Manuel Alegre estará com todos os que quiserem investir, com a razão e o coração, na não desistência de um sonho: um Portugal melhor para todos, um Portugal que não ajoelha e se levanta, digno e convicto, na defesa do interesse da Democracia e dos Cidadãos.

(Também publicado no A Nossa Candeia)

Ana Paula Fitas às 20:07 | link do post | comentar
Quarta-feira, 19.01.11

Contra a Crise, Suspender a Democracia?

Já ouviramos da ex-líder do PSD que a suspensão da democracia por 6 meses para efeitos de, digamos assim!, "endireitar as coisas", seria uma das soluções a ponderar - à época, é certo!... Agora é a vez de Cavaco Silva alarmar os portugueses dizendo que mais 2 semanas de campanha eleitoral, seria penoso e "insustentável" para o país... Acontece que a eventualidade de existir campanha eleitoral por mais 2 semanas, significaria que o povo português exigira, através do exercício do voto, uma 2ª volta... Será que o actual Presidente da República, no final do seu 1º mandato, está a sugerir contenção eleitoral para não agravar a crise? - ou, simplesmente, a criar falsos argumentos populistas para induzir os eleitores em erro, na pressuposição de que uma eleição à 1ª volta reduz os custos de uma crise financeira cujo controle não está, de todo!, nas mãos dos portugueses?... sejamos sinceros, para além de extremamente demagógica, é uma falácia gravosa ao nível do entendimento político que se requer a um Presidente da República... ou, pelo menos, de muito mau gosto!

Ana Paula Fitas às 19:24 | link do post | comentar
Terça-feira, 18.01.11

Manuel Alegre, candidato do PS?

Enquanto crescem as expectativas sobre as possibilidades de uma 2ª volta nas eleições presidenciais do próximo domingo, alguns dirigentes políticos expressam as suas opiniões apoiando ou manifestando desagrado pelos candidatos apoiados pelas forças político-partidárias a que pertencem. No caso de Manuel Alegre, talvez não seja uma má estratégia! Pelo menos, os que receiam que a candidatura de Alegre se esgote numa candidatura presidencial do PS, ficam mais seguros da independência ético-política do candidato e podem, também assim, confirmar a natureza de esquerda que o seu perfil apresenta, propõe e garante. (ler aqui, aqui, aqui e aqui

Ana Paula Fitas às 22:00 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 16.01.11

Da Comunicação Social Portuguesa à WikiLeaks...

... talvez seja bizarro o título deste post mas, não me ocorre melhor para referir 2 exemplos estranhos mas, significativos do que acontece na comunicação social deste país à beira-mar plantado: a) como justificar que o caso da Aldeia da Coelha não tenha sido analisado à luz das suas maiores evidências? Dou apenas como exemplo, para as mentes distraídas!, que, ainda há dias, o Banco Português de Negócios e a Sociedade Lusa de Negócios eram tema de primeira página, tendo desaparecido literalmente com o silêncio que Cavaco Silva decidiu para si próprio sobre o assunto; as questões que se colocam são, por um lado, a de saber, qual a razão porque se não aprofundam e esclarecem as relações interpessoais subjacentes ao problema já que nelas se destacam "pormenores"(?) tais como o do banqueiro ter integrado, com destaque, a governação de Cavaco Silva, ter sido ele e o seu banco quem vendeu e comprou acções a preço "da chuva" a Cavaco Silva que jurara nunca ter comprado ou vendido coisa alguma ao BPN/SLN e que agora se vem a saber da coexistência de ambos e do amigo Dias Loureiro (que, por motivos próximos, saiu do país há meses sem dar sinal, escondido algures num resort qualquer, depois de jurada inocência sobre tanta fraude e corrupção, ele próprio também ex-Ministro de Cavaco Silva) na dita Aldeia da Coelha?... finalmente, neste primeiro exemplo, cabe ainda a pergunta: Cavaco Silva impôs silêncio a si próprio mas, pelo que se constata, esse silêncio tem extensões complexas ou perigosas, não sei mas, seguramente, opacas e suspeitas. b) sobre o 2º exemplo a que pensei referir-me, as perguntas são 2 mas são simples: que razão justifica que o maior comício da campanha de Manuel Alegre não tenha aparecido nas televisões, contrariando a lógica de toda uma campanha que, diariamente e várias vezes por dia, percorre os noticiários com a ilustração das actividades de todos os candidatos??? ... pois... é por isso que me ocorreu a referência ao WikiLeaks... sem um trabalho de transparência o mundo não seria a mesma coisa!... Ora, não esqueçamos que afinal de contas, nós queremos um mundo diferente! Um Mundo Melhor!

Ana Paula Fitas às 14:30 | link do post | comentar
Sábado, 15.01.11

Demagogia e Populismo? Não, Obrigado!

Manuel Alegre denunciou o carácter demagógico e populista que, na campanha de Cavaco Silva, sobe de tom ao ponto de chegar ao ridículo recurso de exemplificar com a pensão da mulher, a situação dos pensionistas... o mais caricato e profundamente reaccionário destas declarações de Cavaco Silva foi, como referiu Manuel Alegre, o facto de ainda ter dito que a mulher, por ter uma reforma tão pequena, depende dele, a quem, de acordo com as suas palavras cabe o papel de a proteger... porque, apesar de toda a solidariedade que é suposta entre os membros dos agregados familiares, a declaração de Cavaco Silva devolveu as mulheres à dependência masculina num apelo tradicionalista, piegas e patético que se não adequa, de modo algum, com a imagem de uma democracia moderna, promotora de igualdade de oportunidades e de género.  

Ana Paula Fitas às 20:30 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Quarta-feira, 12.01.11

Citações Pertinentes...

O post foi escrito foi escrito por Porfírio Silva no Machina Speculatrix... e destacado pelo Miguel Abrantes no Câmara Corporativa!... Vale a pena ler!... porque a memória e o espírito crítico continuam despertos! ... e porque não podemos ignorar, fica o tema de Francisco Fanhais, antigo mas, sem sombra dúvida alguma, ainda actual!

Ana Paula Fitas às 07:00 | link do post | comentar
Terça-feira, 11.01.11

Curiosidades pertinentes...

No passado domingo, na rubrica semanal da edição do Jornal Nacional da TVI, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que a candidatura de Fernando Nobre está no terreno para ajudar Cavaco Silva contra Manuel Alegre!... ninguém reparou ou, apesar do interesse da afirmação, para a direita e alguma esquerda, "o silêncio é de ouro"? Curioso? Não! Significativo!... e a merecer reflexão!

Ana Paula Fitas às 07:00 | link do post | comentar
Segunda-feira, 10.01.11

Eleger Manuel Alegre não é uma questão partidária!

A eleição presidencial não pode reduzir-se aos apoios políticos das candidaturas... e se este receio dos cidadãos tem penalizado a expressão das intenções de voto em Manuel Alegre nas sondagens que têm vindo a público, vale a pena lembrar o peso do destaque que tem sido dado aos apoios partidários à sua candidatura que decorre, essencialmente, do evidenciar da diferença da presente candidatura face ao que caracterizou a que apresentou às anteriores eleições presidenciais... porque, a verdade é que não foi o candidato que mudou; o que mudou foi a expressão pública dos apoios partidários da esquerda protagonizada por socialistas e bloquistas. A verdade é que Manuel Alegre é o mesmo Homem e o mesmo Político e que as teses que agora defende como prioritárias para o desempenho das funções presidenciais, em nada se distinguem das que tem vindo a defender de há anos a esta parte e que justamente lhe garantiram a admiração dos portugueses. Por isso, é importante reter que, ontem, nos Açores, Manuel Alegre afirmou veementemente que a sua vitória não será uma vitória do PS, do BE ou sequer do PDA! Manuel Alegre é um cidadão que lutou pela democracia, com ideias claras e reconhecidamente adequadas à orientação da gestão política nacional nos tempos que correm e para quem o interesse nacional do bem-estar social da população e a soberania nacional são, através da defesa do Estado Social e da dignidade do Estado, princípios maiores de uma representação das funções presidenciais, essencial para o país e para os portugueses. Por isso, urge perceber e transmitir que a eleição de Manuel Alegre não é uma eleição partidária... e que permitir essa confusão é não perceber o que está em causa no dia 23 de Janeiro!

Ana Paula Fitas às 08:08 | link do post | comentar
Domingo, 09.01.11

Da Economia à Política - ou do FMI a Passos Coelho?

O discurso de Manuel Alegre, ontem, em Almada, foi contundente e incisivo. Referindo-se ao que, actualmente, é a prioridade do interesse nacional, Manuel Alegre reiterou a sua oposição à cedência do país às pressões externas, designadamente ao pedido de intervenção do FMI na economia portuguesa. Vale apenas ouvir e ler (aqui) algumas das suas afirmações que, por estas e outras razões, são decisivas para a salvaguarda do futuro de Portugal. 

Ana Paula Fitas às 12:39 | link do post | comentar | ver comentários (6)
Sábado, 08.01.11

Esquerda Unida, Já!

"(...) A direita está unida (...) a direita detém o poder económico e o poder económico com o poder político e o poder mediático é todo o poder (...) a direita quer dominar todo o poder em Portugal (...)" - disse hoje, num almoço em Palmela, Manuel Alegre. A evidência das suas palavras está à vista na realidade quotidiana dos portugueses e pouco importa o quadrante partidário em que se manifesta. A direita existe, por todo o lado. Era importante que toda a esquerda exibisse agora, num ímpeto inesperado, a sua capacidade e a determinação das suas convicções. Está (ainda!) nas mãos de todos. Assim o queiram. 

Ana Paula Fitas às 20:27 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Sexta-feira, 07.01.11

Estado Social ou Visão Assistencialista do Estado?

Na entrevista de Manuel Alegre a Judite de Sousa, ontem, na RTP1, uma ideia central que ilustra com clareza a distância ideológica e a representação política do exercício do poder entre Manuel Alegre e Cavaco Silva, foi enunciada pelo entrevistado quando evidenciou a diferença entre as concepções do Estado Social que sempre tem defendido e a visão assistencialista do Estado que subjaz às considerações de Cavaco Silva e da maior parte do pensamento político da direita sobre as questões da justiça social, da igualdade de oportunidades, do combate à pobreza e à exclusão social e afins. De facto, a visão assistencialista do Estado pressupõe a possibilidade de recurso pontual em casos de necessidade extrema a respostas de apoio social disseminadas por respostas da sociedade civil, desresponsabilizando o Estado da prática constitucional (razão fundadora do empenho do PSD na revisão constitucional?!) de uma efectiva garantia de prestação de serviços básicos (saúde, educação, segurança social) a toda a população em condições objectivas de igualdade de oportunidades caucionada pela existência politicamente assumida de um Estado Social... neste confronto de representações em que não estão em causa meras doutrinações ideológicas, é caso para reflectirmos na realidade social dos portugueses e decidirmos o que, indiscutivelmente, melhor serve o interesse nacional na perspectiva do interesse de todos e do Bem-Comum... porque a verdade é que o nosso país tem perdido cerca de 322 postos de trabalho por dia tal como, também por dia, têm aberto falência cerca de 11 empresas, ao mesmo tempo que o número de pessoas desempregadas ultrapassou o meio milhão (cerca de 10,9% da população ou seja, de 600 mil pessoas) e a dívida pública tal como o endividamento nacional continuam a comprometer seriamente o desenvolvimento e a autonomia económica do país, fragilizando a sua estabilidade social. Cientes da crise financeira e económica internacional em que nos encontramos e a cuja influência e contágio não temos condições para resistir, podem os portugueses prescindir do Estado Social e deixar o futuro nas mãos de um assistencialismo irregular, incerto e privado, de sustentabilidade precária?... confiar na Previdência é, sabemo-lo todos!, uma fé e o país não pode ficar nas mãos do acaso até porque a consolidação de uma sociedade e das suas condições de vida decorrem de decisões racionais.

Ana Paula Fitas às 15:00 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Quinta-feira, 06.01.11

Da "Chamada" dos Bancos à Campanha Eleitoral...

... aliás, nesta "chamada" dos bancos privados à campanha eleitoral, uma questão que se coloca ao mais elementar senso-comum é a de perceber que semelhança pode encontrar-se entre, por um lado, a relação que o cidadão Cavaco Silva manteve com o BPN enquanto accionista da SLN e cujo despacho de vendas das acções foi assinado pelo próprio Oliveira e Costa e, por outro lado, um texto literário produzido por diversas personalidades sobre a sua relação com o dinheiro que, tendo sido utilizado como uma forma de publicidade, conduziu Manuel Alegre a protestar, dando indicações para que o texto que escrevera fosse retirado da dita linha publicitária!?...   

Ana Paula Fitas às 23:57 | link do post | comentar | ver comentários (2)

eMail

pesquisar

 

autores

posts recentes

últ. comentários

  • Genial ... anedota nacional. Fica a ideia da const...
  • Ou seja, Cavaco, nos seus 10 anos, reduziu o défic...
  • Obrigado Rodrigo.Este Blog estará disponível enqua...
  • Caros AmigosO trabalho que fizeram e apesar de os ...
  • Há gente que nunca conseguirá ver mais do que a po...
  • Palavras para quê?"Alegre confrontado com insinuaç...
  • Obrigado JPN.Já está resolvido.
  • Obrigado, AnabelaFoi um prazer acompanhar Manuel A...
  • Tens toda a razão, Paulo.Esta treta de gente do me...
  • Acho que não deve conseguir ler os gráficos muito ...

mais comentados

arquivos

2011

tags

links

subscrever feeds

networkedblogs - facebook

NetworkedBlogs
Google Groups
blogs SAPO

Logo

Alegre - Alegro Pianissimo
Imagem: Rui Perdigão