Quarta-feira, 19.01.11

Cavaco Silva não reconhece a importância do Estado

Governo transfere diariamente 3,2 milhões para IPSS

 

A Secretária de Estado da Reabilitação disse, hoje, que o Governo transfere para as IPSS's, todos os dias, mais de 3 milhões de euros. Ou seja, o Estado apoia, e bem, o trabalho meritório de muitas instituições sociais em todo o País.

 

Mas, a propósito deste assunto, vale a pena recuar uns dias e recordar o que o candidato Cavaco Silva disse, no dia 8 de Janeiro, a uma mulher com dificuldades financeiras:

 

O candidato presidencial Cavaco Silva foi hoje abordado por uma mulher que se queixou de não ter dinheiro para alimentar o filho, a quem recomendou que procurasse "uma instituição de solidariedade que não seja do Estado".

 

É este o candidato, que desconsidera o papel do Estado, que merece a renovação de um mandato?

Carlos Manuel Castro às 21:50 | link do post | comentar

Estabilidade, aquela morta morte dos cemitérios!

As mais recentes declarações de Correia de Campos ( independentemente do ressentimento que possam traduzir) ajudam a perceber exactamente o que está em causa nestas eleições: a estabilidade em que temos vivido até agora com os conceitos de cooperação estratégica (com o GPS um pouco danificado, como sugere o boneco de Luís Afonso) ou a instabilidade que resulta de tomarmos nas mãos a expressão do nosso destino. Eu creio que elaboramos muito acriticamente a ideia de estabilidade. Quando uma situação é negativa, estabilizá-la é prolongar os efeitos negativos da mesma.

 

Nunca me esqueço de uma vez, em Madrid, ter ido, com um dramaturgo amigo,  visitar José Monleón, grande amigo de Portugal, do teatro Português e essenciamente uma grande referência do mundo do teatro iberoamericano. Já estávamos de saída, o meu amigo pergunta-lhe:

- E então,a saúde? Tem estado estável?

Ao que ele, com aquele largo sorriso que o caracteriza, responde:

- A estabilidade é a morte. É a instabilidade que me permite manter vivo.

 

Desde essa lição de vida que valorizo muito mais aquelas experiências e aprendizagens que nos ensinam a lidar com a instabilidade, do que aquelas que, por um conceito errático de estabilidade pretendem perpetuar situações como as que nos trouxeram até ao lugar onde nos encontramos. Os cemitérios não estão só cheios de homens indispensáveis, como escreveu Brecht. Também de tédio e estabilidade. A estabilidade de Cavaco e Silva - e parece também a de Correia de Campos -  é a manutenção da situação, é no plano visível e explícito a política activa dos silêncios, dos não posso dizer, dos não tenho nada a comentar sobre, do não é a ocasião propícia para, do neste momento não é apropriado. Conjugado, no plano invísivel e subterrâneo, com a articulação nunca esclarecida com interesses lesivos à comunidade. É a estabilidade dos cemitérios (e dos covis).

 

Num mar agitado e de grandes vagas como é a tempestade onde estamos metidos, a estabilidade é uma mentira de quem não consegue arregimentar no sonho, na utopia, a coragem necessária. Nada mais desestabilizador do que a falácia política, o não falar o que se sente (ou deixar colonizar a voz pelo que se ressente).

 

Só a verdade nua e crua une verdadeiramente. E neste equilibrio institucional do nosso sistema constitucional, o Presidente da República, porque é aquele que é eleito por uma comunidade que sabe exactamente em que está a delegar a sua representação, deve ser capaz também de ser a voz da inquietação, do apelo, da convocatória, da esperança.

Joaquim Paulo Nogueira às 00:41 | link do post | comentar
Quarta-feira, 12.01.11

Privatizar lucros,nacionalizando prejuizos...

 

imagem obtida via Facebook de João Soares

Paulo Ferreira às 20:03 | link do post | comentar
Sábado, 08.01.11

O Chefe do Estado não aconselha o Estado

 

Paula Cabeçadas às 20:56 | link do post | comentar

O "monstro" fora de controlo

 

 

 

Cavaco Silva (quase) sempre teve o condão, inexplicável, de intocabilidade, apresentando-se como moralmente inquestionável: uma espécie de santa virgem imaculada da política nacional?! Quase que é preciso nascer tantos anos quantos esteve envolvido na vida político-partidária portuguesa para poder questioná-lo ou confrontá-lo sobre o que quer que seja, neste caso sobre o aumento de funcionários públicos na Administração Central. Ora, considerando dados obtidos imediatamente após ter terminado os fastiosos oito anos de governação despesista, Cavaco Silva foi quem mais alimentou o "monstro" que ele tanto crítica. A minha geração anda e vai continuar a pagar os tempos de "vacas gordas" da geração cavaquista. Cavaco deve um pedido de desculpas, à minha geração, à geração dos neo-exilados!

 

(Dados: Pordata)

Cláudio Carvalho às 19:05 | link do post | comentar

eMail

pesquisar

 

autores

posts recentes

últ. comentários

  • Genial ... anedota nacional. Fica a ideia da const...
  • Ou seja, Cavaco, nos seus 10 anos, reduziu o défic...
  • Obrigado Rodrigo.Este Blog estará disponível enqua...
  • Caros AmigosO trabalho que fizeram e apesar de os ...
  • Há gente que nunca conseguirá ver mais do que a po...
  • Palavras para quê?"Alegre confrontado com insinuaç...
  • Obrigado JPN.Já está resolvido.
  • Obrigado, AnabelaFoi um prazer acompanhar Manuel A...
  • Tens toda a razão, Paulo.Esta treta de gente do me...
  • Acho que não deve conseguir ler os gráficos muito ...

arquivos

2011

tags

links

subscrever feeds

networkedblogs - facebook

NetworkedBlogs
Google Groups
blogs SAPO

Logo

Alegre - Alegro Pianissimo
Imagem: Rui Perdigão